Boas ideias precisam ser colocadas em prática

Boas ideias precisam ser colocadas em prática

Você já deve ter escutado inúmeras vezes, inclusive de pessoas próximas, que empreender no Brasil é uma das tarefas mais difíceis e árduas que podemos conviver. Ninguém mentiu para você. 
Também já deve ter tido boas ideias e, como no Brasil há toda essa dificuldade, arquivou no seu armário mental deixando para um futuro próximo ou quem sabe depois de se aposentar. 
Se uma ou mais vezes isso aconteceu contigo, não fique assustado achando que sou um descobridor de pensamentos empreendedores, não se desespere e muito menos se lamente por isso. É muito comum termos ideias e não colocarmos em prática, que fica fácil eu concluir que já ocorreu contigo.

Já vi ideias que deram certo, mesmo parecendo não ir tão longe, e outras que não foram bem, quando pareciam ser ótimas. Mas em todas elas há algo em comum. A execução. Aqui está a grande diferença.
Se não coloco em prática, como vou mensurar o retorno que essa ideia pode me dar e o quanto ela é avaliada pelo mercado? 

Vale uma observação: colocar em prática não significa iniciar a operação da empresa, mas começar as etapas necessárias para sua validação. 

E por onde começar?
Uma ideia precisa, antes de tudo, atender a uma demanda de mercado, do contrário não alcançará seus objetivos. Como saber isso?

A palavra chave para iniciar é: PESQUISA. 
Essa ferramenta que muitos empresários negligenciam deve ser tratada com mais cuidado, porque empresas que alcançaram sucesso chegaram ao topo conhecendo seus concorrentes, clientes, fornecedores, aspectos legais e estruturais, modernos e inovadores. Por outro lado, tantas outras que tinham um excelente negócio na mão deixaram escapar essa oportunidade por ficarem na zona de conforto, achando que estavam estabelecidas em seu mercado. A pesquisa deve ser frequente e fazer parte da rotina da empresa.

Para conhecer a demanda do mercado não podemos nos valer de análises subjetivas, como também não precisamos de pesquisas complexas, pois, muitas vezes, de forma simples e objetiva chegamos a esse resultado.
Através de questionários que encontramos em artigos, livros e de própria produção podemos coletar informações sobre demanda, carência na oferta de produtos ou serviços que pretendemos lançar, concorrência, público alvo, poder aquisitivo, gostos pessoais, localização, em caso de loja física, aspectos legais etc..
Nesse momento o importante é conhecer o terreno que está pisando, para depois poder avaliar investimentos, capital de giro e toda estrutura operacional.

A pesquisa é uma ferramenta importantíssima para quem deseja começar um negócio, não deve ser abandonada jamais, mesmo depois da entrada em operação, mas não garante resultados ao seu negócio. Mantenha-se sempre atento as ameaças e oportunidades e saiba que ideias não serão exclusivas e devem ser inovadas sempre.

Rogério Braga
Consultor Financeiro