Corretor de imóveis, você tem uma relação saudável com seu dinheiro ?

Corretor de imóveis, você tem uma relação saudável com seu dinheiro ?

Se para qualquer pessoa essa pergunta já não é fácil de ser respondida, imagine para o corretor que vive numa constante gangorra emocional que o leva da euforia a decepção em frações de segundos. 

Um dia tem a expectativa de dinheiro na conta e logo volta ao cheque especial ou acorda “pobre” e vai dormir “rico”. 

O reflexo desse fenômeno é o desequilíbrio financeiro que traz grandes dificuldades a vida desses profissionais. O que teoricamente deveria ser estabilizado com a comissão de vendas nem sempre se confirma ou dura pouco tempo, pois o acumulo de dívidas e excessos de consumo se retroalimentam e formam outros ciclos de endividamento, expectativa de renda e desejos.

Diante dessas incertezas, onde encontrar o equilíbrio financeiro?

Não existem fórmulas mágicas, mas a educação financeira é uma forte aliada. 

A remuneração do corretor é variável, enquanto suas despesas são fixas e variáveis. E para encontrar o equilíbrio, a sua renda precisa pelo menos empatar com as despesas. Nada mais óbvio. O curioso é que mesmo sabendo disso o corretor destina parte da sua comissão em desejos de consumo, que não teria mal nenhum se fossem planejados. Tenho certeza que muitos corretores já investiram a comissão em carro novo, Smartphone da moda, roupas, sapatos etc..

Comprar é muito bom, dinheiro foi feito para gastar, mas tudo precisa ser muito bem organizado e a palavra de ordem é PLANEJAMENTO.

Pensando em como contribuir para o planejamento financeiro pessoal do corretor, resolvi relacionar alguns tópicos que contribuirão para a organização e controle das contas, conforme seguem abaixo: 

1) Faça um diagnóstico financeiro.

Anote todas as despesas diárias durante três meses, sem excluir qualquer valor, mesmo que custem centavos, do cafezinho ao carro dos seus sonhos. Não deixe para depois, faça no momento do consumo ou pagamento de qualquer conta. E, principalmente, utilize papel e caneta, evitando os aplicativos nesse momento, pois quando anotamos memorizamos mais e reforçamos nosso compromisso.

Ao final desse período seu custo mensal e o atual padrão de vida serão conhecidos e você terá a oportunidade de escolher entre mantê-los, por entender que são sustentáveis, ou optará pela mudança de rumo, com novo comportamento, pensando no agora, mas também no futuro, criando condições que lhe permitam lá na frente aumentar sua qualidade de vida de forma planejada e estruturada.

2) Crie estratégias para aumentar a renda

O mercado imobiliário é estimulante e permite muitas oportunidades que nem sempre encontramos em outros mercados. Além da venda do imóvel o profissional pode trabalhar com locação e administração, onde as comissões são menores, mas poderão contribuir para a sustentabilidade do seu orçamento.

3) Proteja sua renda.

A variação da sua renda cria uma dificuldade maior e não lhe dá a tranquilidade para colocar suas contas em dia. Por outro lado, como falo no primeiro passo, você já conhece suas despesas mensais e escolheu um padrão de vida adequado a sua realidade. A partir de agora precisa distribuir essa comissão como se fosse a única que terá esse ano e garantir o pagamento das contas.

Seja firme e não deixe que outras despesas atrapalhem seu orçamento.

Não adianta superestimar valores e nem projetar comissões que não pode afirmar que virão, mantenha seu padrão e potencialize as estratégias que podem aumentar essa renda.

Faça renuncias se necessário, direcione para as suas necessidades básicas, evite excessos de gastos em supérfluos e acabe com desperdícios.

4) Objetivos de vida

Esse é o combustível que nos faz acreditar todos os dias. 

É importante ter sonhos que nos estimulem a seguir a caminhada e que nos devolvam o prazer de sentir o gosto da conquista. Um sonho realizado não tem preço e quando ele vem fruto do trabalho e do planejamento financeiro pessoal, tem um peso ainda maior.

O corretor é o maior vendedor de sonhos que existe e pode medir isso através de seus clientes. Mas isso não deve ser privilégio somente do cliente, você precisa acreditar, priorizar e realizar sonhos que o motivem a vencer as dificuldades que se apresentam todos os dias. 

5) Poupar é investir em você

Para terminar vou deixar uma estória para reflexão e para o corretor avaliar o quanto poupar pode ser importante para atingir sonhos.

João saía de casa todo dia para trabalhar e, por comodidade, tomava café da manhã na padaria que custava a ele R$ 6,00. Considerando que trabalhava 26 dias no mês, João tinha uma despesa mensal de R$ 156,00.

Entre o café da manhã e o almoço João costumava fazer outro lanche que lhe custava R$ 6,00. Sendo assim, mais R$ 156,00 se juntavam as despesas mensais. 

No almoço mais R$ 25,00 eram gastos durante os 26 dias, chegando ao valor no final do mês de R$ 650,00.

A tarde, outro lanche, esse mais modesto, custando R$ 4,00, que multiplicados pelos 26 dias dariam R$ 104,00

Para não ficar muito caro João jantava em casa.

No final do mês o gasto total com essas despesas era de R$ 1.066,00, ao ano era de R$ 12.792,00 e R$ 41,00 ao dia.

Quando João fez seu diagnóstico financeiro percebeu que havia gasto muito dinheiro onde poderia ter evitado e resolveu mudar. Passou a tomar café da manhã em casa, levou os lanches e o almoço e resolveu investir esse valor poupado em renda fixa, pois João é bem conservador. Pelo seu planejamento financeiro, em 15 anos ele terá uma renda extra de aproximadamente R$ 4.000,00 e garantirá sua aposentadoria de acordo com seu padrão de vida.

E você corretor, já está preparado para sua aposentadoria? 

Rogério Braga
Consultor Financeiro